Na saúde, frequentemente são descobertos novos fatores de risco para condições já conhecidas, nos surpreendendo e, muitas vezes, nos fazendo repensar hábitos cotidianos.

Uma pesquisa veio para adicionar mais uma preocupação à lista dos consumidores de alimentos ultraprocessados: o papel dos açúcares adicionados no desenvolvimento de pedras nos rins.

Rótulo usado nas embalagens de alimentos altos em açúcar adicionado
© Fornecido por Catraca Livre
Rótulo usado nas embalagens de alimentos altos em açúcar adicionado © Fornecido por Catraca Livre

Publicada na revista científica Frontiers in Nutrition, a pesquisa analisou cerca de 28 mil adultos americanos.

Quais alimentos aumentam o risco de desenvolver pedra nos rins?

O estudo traz à tona a correlação entre o alto consumo de açúcares adicionados – presentes em grande quantidade em refrigerantes, doces, bolos, e outros alimentos processados – com um aumento no risco de desenvolvimento de cálculos renais.

Mais especificamente, os resultados apontam para um risco 39% maior para os maiores consumidores desses açúcares.

Os dados, coletados entre 2007 e 2018, são do National Health and Nutrition Examination Survey, dos Estados Unidos. 

A ingestão média de açúcares adicionados pelos participantes somava 272,1 calorias por dia, representando 13,2% do total energético diário ingerido – um valor consideravelmente alto quando pensamos em nutrição e saúde preventiva.

Mas quais são os açúcares adicionados?

Diferente dos açúcares naturalmente presentes em frutas e em alguns laticínios, os açúcares adicionados são aqueles incorporados aos alimentos ou bebidas durante o processo de fabricação ou preparo.

Presente em uma vasta gama de produtos, desde os esperados doces e refrigerantes até produtos menos óbvios como molhos de salada e pães, o seu consumo excessivo tem sido uma preocupação crescente devido às várias implicações na saúde.

E agora, o que fazer?

Apesar da correlação encontrada, o estudo sublinha a necessidade de mais pesquisas para entender profundamente a relação entre o consumo de açúcar adicionado e a formação de cálculos renais.

Quais tipos de cálculos renais podem surgir? Quanto precisaríamos reduzir nosso consumo para diminuir o risco? São perguntas ainda em aberto, porém, já fica a dica para repensarmos nossas escolhas diárias em prol da saúde renal.

Não é novidade que os cálculos renais representam um problema significativo de saúde pública. No Brasil, a estimativa é que 10% da população sofra com essa condição.

Os sintomas, aliás, variam desde dores intensas até casos mais graves de insuficiência renal.

Prevenção é a chave

A pesquisa lança luz sobre a importância de mais atenção ao que consumimos. Enquanto mais estudos consolidam essas descobertas, vale a pena considerar a redução de alimentos com açúcares adicionados na dieta.

Escolhas alimentares conscientes, por fim, não só podem melhorar a qualidade de vida como prevenir condições de saúde adversas no futuro. 

Fonte: Catraca Libre

Responder